Search

Redescobrindo os avanços da ciência Védica

Os antigos textos védicos não contêm apenas um alto nível de conhecimento filosófico e espiritual. Também possuem informações sobre níveis avançados da ciência material. Este escrito apresentará uma lista dos muitos tópicos contidos na ciência védica, as ideias e conhecimentos que eram conhecidos há centenas e milhares de anos. Devemos também reconhecer que sem esses desenvolvimentos – que se originaram na civilização védica nos diversos campos que serão descritos – este mundo não seria o que é hoje. Portanto, devemos muito à natureza avançada da sabedoria védica. 

A literatura tradicional Védica inclui obras como o Ayur-veda, a ciência original da medicina holística ensinada por Lord Dhanvantari; Dhanur-veda, a ciência militar ensinada por Bhrigu; Gandharva-veda, que trata das artes da música, dança, drama, etc., de Bhrata Muni; Artha-sastram, a ciência dos governos e do desenvolvimento econômico; Sthapataya-veda, ciência da arquitetura e Manu-samhita, o livro de leis védicas. 

Existem também os Shulbasutras, que contêm o sistema védico da matemática. Os Shulbasutras são as formas mais antigas de conhecimento matemático e, provavelmente, as primeiras para qualquer propósito religioso. Eles aparecem basicamente como um suplemento ao aspecto ritual (Shrauta) dos kalpasutras, que mostram as primeiras formas de álgebra. Possuem essencialmente as fórmulas matemáticas para projetos de altares para os rituais de adoração. Cada Shrautasutra tinha seus próprios Shulbasutras, então provavelmente existiam vários desses textos há muito tempo, embora apenas sete Shulbasutras sejam conhecidos hoje. Entre estes, o Baudhayana, Apastamba (ambos pertencentes ao Taittiriya Samhita ou Black Yajur-veda) são os mais importantes, enquanto o Manava, Maitrayana, O Varaha e o Vidula são menos significativos. 

 A data das Shulbasutras, após comparar as Shulbasbaudhayanaapastamba e katyayana com a matemática antiga do antigo Egito e da Babilônia, conforme descrito por N. S. Rajaram em Os Arianos e as origens da Civilização (p. 139), está perto de 2.000 a.C., contudo, depois de incluir dados astronômicos do asvalayana GrihyasutraShatapontha Brahmana, etc, a data pode ser trazida para perto de 3.000 aC, perto da época da Guerra do Mahabharata e da compilação dos outros textos védicos por Srila Vyasadeva. 

 Com essa visão em mente, a matemática védica não pode mais ser considerada como um derivado da antiga Babilônia, que data de 1700 A.C, mas deve ser sua fonte, bem como o grego da matemática pitagórica. 

 A forma da matemática védica é muito mais avançada do que a encontrada nas primeiras civilizações grega, babilônica, egípcia ou chinesa. Na verdade, a fórmula geométrica conhecida como teorema de Pitágoras pode ser rastreada até o Baudhayana, a forma mais antiga de Shulbasutras antes do século VIII A.C. 

 O reconhecimento da superioridade da matemática védica também foi registrado já em 622 A.C. por Sebokht, o bispo de Qinnesrin no norte da Síria. Conforme relatado em Indian Studies In Honor of Charles Rockwell (Harvard University Press, Cambrigde, MA. Editado por WE Clark, 1929), Sebokht escreveu que as descobertas indianas na astronomia eram mais ingênuas do que as dos gregos ou babilônios, e seus números [decimais] sistema supera as descrições. 

Foi esse sistema indiano que originou o sistema decimal de dezenas, centenas, milhares, etc., e o procedimento de carregar o resto de uma coluna sobre a seguinte. Também fornecia um meio de dividir frações e o uso de equações e letras para significar fatores desconhecidos. Esses números indianos foram usados na Arábia após 700 d.C. e se espalharam pela Europa, onde foram erroneamente chamados de números arábicos. Foi somente porque a Europa mudou dos algarismos romanos para esses algarismos arábicos originários da Índia que muitos dos desenvolvimentos na Europa nos campos da ciência e da matemática puderam ocorrer. 

Texto extraído do livro ‘Proof of Vedic Culture’s Global Existence’; autor Stephen Knapp