Search

A influência védica encontrada no Oriente Médio e na África

À medida que investigamos a região e os países do Oriente Médio, encontramos muitas evidências que mostram a influência inicial da cultura védica. Muito dessa influência ainda permanece hoje. Isso justifica o fato de que tal influência não existiria se esta região não tivesse feito parte da cultura védica ariana global e tivesse sido administrada por governantes védicos.

Numerosos países do Oriente Médio possuíam muitos deuses em comum, de várias maneiras, embora os chamassem por nomes diferentes. Eles também tinham muitas semelhanças nas lendas e histórias que explicavam a criação das realidades cosmológicas. Frequentemente, essas eram variações ou condensações de outras tradições vizinhas, de verdades previamente estabelecidas. Ao estudar algumas dessas conexões e semelhanças, podemos ver quantas dessas culturas estão conectadas umas às outras e relacionadas às antigas tradições que surgiram da influência védica que se estendeu por uma vasta área e viajou para o oeste para a Europa e outras regiões e afetou essas países em maior ou menor grau.

A Índia antiga, sem dúvida, cobria uma área de terra muito maior do que hoje e se espalhou muito mais para o norte e para o oeste. Pelo menos há indícios históricos que mostram que a influência ariana foi percebida a longas distâncias. Os deuses védicos, por exemplo, eram conhecidos em uma vasta área. V. Gordon Childe, neste livro “Os arianos”, afirma que as evidências deixam claro que os arianos foram estabelecidos em centros no Alto Eufrates em 1400 a.C. Esses centros eram semelhantes às cidades do Vale do Indus e mais tarde na Média e na Pérsia. Na verdade, Hugo Winckler, em 1907, identificou os nomes de quatro deuses védicos (Indra, Varuna, Mitra e os gêmeos Nasatya) junto com dez deuses babilônios e quatro Mittanos que foram invocados como testemunhas de um tratado assinado em 1360 a.C. entre os reis de Mitanni e hititas. Também há tabuinhas em Tell-el-Amarna que mencionam princesa ariana na Síria e na Palestina. Mas esses arianos não eram necessariamente residentes permanentes da área, mas dinastas que governavam os súditos não arianos daquela região. Isso explicaria por que alguns estudiosos como Jacobi, Pargiter e Konow aceitam as Deidades dos Mitanni no Alto Eufrantes na Síria e na Palestina como índios, introduzidos na área por meio de um povo que fala sânscrito que veio do Punjab. Além disso, L. A. Waddel afirma que os primeiros reis arianos podem ser rastreados até pelo menos 3380 a.C. Eles tinham uma capital ao norte do Eufrates, perto do Mar Negro, na Capadócia em 3378 a.C. e esses reis hititas da Capadócia tinham nomes arianos. Isso significa que os arianos devem ter se estabelecido muito bem na área durante esse tempo.

Texto extraído do livro “Proof of Vedic Culture’s Global Existence” de Stephen Knapp