Search

HISTÓRIA DO VEGETARIANISMO – uma perspectiva atual

Há mais de mil anos atrás, alguns grupos religiosos no Egito começaram a adotar uma dieta vegetariana por acreditar que a abstinência de carne facilitaria a purificação do processo de reencarnação. Por mais que pareça atual, o vegetarianismo acompanha a humanidade há mais tempo que imaginamos. A alimentação é um reflexo sociocultural de um povo e diz muito sobre todas as dinâmicas de um tempo.  

Os indianos até hoje possuem uma dieta rígida com relação ao consumo de carne, principalmente bovina. Esse hábito oficialmente começou por volta de 264-233 AC quando um rei se converteu ao budismo e proibiu os sacrifícios animais enfatizando a uma alimentação baseada em frutos, sementes, verduras e cereais como a melhor e mais equilibrada. A prática do Yoga está atrelada à esse consumo mais consciente da alimentação e do corpo. 

Em 1847 foi fundada a Sociedade Vegetariana Britânica e só a partir daí o termo “vegetariano” começou a ser usado juntamente com uma perspectiva religiosa e preservação ambiental, dois dos grandes pontos que constituem a dinâmica de pessoas que seguem esse estilo de vida atualmente.  

Existem diversas motivações e conjunturas que compõe a decisão de se tornar uma pessoa vegetariana. Atualmente a pauta ecológica vêm crescendo de maneiras estratosféricas juntamente com as demandas políticas no que se diz respeito à preservação ambiental; possibilitando o crescimento do vegetarianismo em proporções grandiosas nos últimos anos. Essa pauta vêm sendo abraçada cada vez mais pela indústria alimentícia e comercial e reflete diretamente na democratização dessa prática que por muitos anos era lida como elitizada e não-acessível. 

A internet tem um papel muito importante nessa construção democrática do vegetarianismo por trazer – de maneira mais fácil e rápida – a informação sobre receitas, questões sociais e ideologias de preservação dessa integratividade corpo-alimentação perpetuando essa lógica consciente que acompanha a humanidade desde os primórdios da socialização humana.